-->

Professores da rede estadual rejeitam 5% e acampam em Belo Horizonte

Trabalhadores na Educação do Estado de Minas Gerais rejeitam proposta do governo e continuam acampados na porta do Palácio das Mangabeiras, em Belo Horizonte. O Governo Estadual apresentou proposta de reajuste de 5% no subsídio, os trabalhadores rejeitaram o percentual em assembleia. A categoria considera uma vergonha e desrespeito o reajuste apresentado, que não repõe a inflação do período.

Em encontro realizado no dia 23 de setembro, os representantes da Secretaria Estadual de Educação apresentaram aos diretores do Sind-UTE uma proposta com reajuste salarial 5% no subsídio, em outubro, e 2,5% de progressão em janeiro de 2014. A categoria reprovou o índice, acreditando ser insuficiente, e convictos na luta para o pagamento do Piso Salarial.

De acordo com representantes do Sind-UTE , o governo tem que entender que a categoria merece receber o piso e o descongelamento da carreira, que, segundo os sindicalistas, é a manobra usada pelo Estado que ao somar todos os benefícios alegando que está pagando o piso. Já o índice de 5% não satisfaz a categoria porque não acompanha a inflação que é de 6,1%.

Por esse motivo os professores continuam acampados em frente ao Palácio das Mangabeiras e está sendo realizado um revezamento entre professores de várias cidades. Na semana passada foram os profissionais de Uberaba e essa semana são os professores de Araxá que estão acampados.

No dia 08 de outubro será realizada mais uma manifestação, com todos os trabalhadores na porta da Assembleia Legislativa, com intuito de cobrar do governo melhorias salariais e mostrar que a categoria não aceita os 5%.

02/10/13

Gostou? Então compartilhe!

Tags:

Comente esta notícia

LEIA AS REGRAS: Comentários que contenham palavrões, ofensas ou que não tenham relação com o assunto tratado na notícia podem ser deletados sem nenhum aviso. Em hipótese alguma faça propagandas de outros sites ou blogs. OBS: Os comentários dos leitores não refletem a opinião de O LAVRENSE
Comentário(s)
0 Comentário(s)

0 comentários: