-->

Brasil está em primeiro lugar em ranking sobre violência em escolas

Um levantamento feito pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com mais de 100 mil professores e diretores de escola do segundo ciclo do ensino fundamental e do ensino médio apontou o Brasil como líder do ranking de violência em escolas. Entre os 34 países pesquisados, a média de professores que disseram ser vítimas de agressões verbais ou de intimidação de alunos pelo menos uma vez por semana foi de 3,4%. Mas, no Brasil, o valor por de 12,5% – seguido por 11% na Estônia e 9,7% na Austrália. Na Coreia do Sul, na Malásia e na Romênia, o índice é zero.

Em entrevista à BBC Brasil, Dirk Van Damme, chefe da divisão de inovação e medição de progressos em educação da OCDE, disse que a escola está mais aberta à sociedade e que os alunos acabam levando seus problemas cotidianos para a sala de aula. O Brasil ainda aparece entre os dez últimos na lista do estudo internacional sobre professores, ensino e aprendizagem, que mede a percepção que o professor tem da valorização de sua profissão. Apenas um em cada dez professores brasileiros (12,6%) disse acreditar que seja valorizado pela sociedade; a média global é de 31%.

A organização ressalta, contudo, que houve avanços na educação brasileira nos últimos anos. Os investimentos no setor, de 5,9% do PIB no Brasil, estão próximos da média dos países da OCDE (6,1%), que reúne várias economias ricas. "Entre 2000 e 2011, o nível de investimentos em educação no Brasil, em termos de percentual do PIB, quase dobraram", afirma Van Damme. Além disso, o porcentual de jovens entre 15 e 19 anos que estudam é de 77% no país, enquanto a média da OCDE é de 84%.

31/08/14

Gostou? Então compartilhe!

Tags:

Comente esta notícia

LEIA AS REGRAS: Comentários que contenham palavrões, ofensas ou que não tenham relação com o assunto tratado na notícia podem ser deletados sem nenhum aviso. Em hipótese alguma faça propagandas de outros sites ou blogs. OBS: Os comentários dos leitores não refletem a opinião de O LAVRENSE
Comentário(s)
0 Comentário(s)

0 comentários: