ESTRÉIA DO FILME ‘O Código da Vinci’ CAUSA POLÊMICA NO PANORAMA RELIGIOSO EM LAVRAS

O lançamento do filme “O Código da Vinci”, baseado no livro de ficção do autor Dan Brown, que está previsto mundialmente para o dia 19 de maio, já está causando polêmica no cenário da Igreja Católica.

O presidente da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil), Dom Geraldo Majella Agnelo, afirmou anteontem, em nota emitida na Catedral Basílica de Salvador, que os católicos não devem assistir ao filme “O Cógico da Vinci”. “Dever, não devem, ninguém é obrigado a ver nada”, disse ao ser indagado se recomendaria aos católicos o filme, que será protagonizado por Tom Hanks e fez duas críticas ao livro. “Alertamos que a obra, no seu gênero fantasioso, apresenta uma imagem profundamente distorcida de Jesus Cristo, que está em contraste com pesquisas e afirmações de estudiosos de diversas áreas das ciências humanas”.

- É lamentável que a obra, com roupagem pseudocientífica, se ponha a versar de maneira leviana e desrespeitosa sobre convicções tão sagradas para os cristãos - é a afirmação que conclui a nota assinada por Dom Geraldo Majella. Em sua opinião, o livro e o filme são obras de ficção, “que não representam a história de Jesus e nem da igreja”.

O LIVRO - A tese central de “O Código da Vinci” é que Jesus Cristo teria se casado com Maria Madalena e a união teria sido encoberta pela Igreja Católica para distorcer os ensinamentos cristãos originais. O segredo teria sido revelado em forma de código pelo pintor.

Em entrevista exclusiva ao jornal online O Lavrense , o Padre Iliseu Schneider pároco da Matriz de Santana falou sobre o filme/livro “O Código da Vinci” e a polêmica que envolve a obra.

O Lavrense - O que o senhor pensa a respeito dessa polêmica toda envolvendo o filme “O Código da Vince”?

Padre Iliseu Schneider – Olha, se o objetivo do filme era criar polêmica ele conseguiu. Porque a meu ver é um desvirtuamento de verdades básicas da nossa fé.Verdades que constam na bíblia, para nós cristãos é palavra de Deus e como palavras de Deus ela contem as verdades releveladas, verdades que nós acreditamos, como cristãos e católicos.

O Lavrense – Quais os aspectos que mais realçam essa contradição entre o filme e o que diz a bíblia?

Padre Iliseu Schneider – A igreja Católica, ao longo dos séculos, estabeleceu quais os livros que seriam considerados canônicos, que fariam parte da lista dos livros inspirados por Deus, e para a Igreja Católica esses livros são 73,livros que a igreja reconhece como sendo inspirados por Deus. Além desses 73 livros, existem mais de 80 livros chamados apócrifos, livros falsos e que a Igreja Católica nunca reconheceu como sendo livros canônicos. São livros fantasiosos, de pura ficção, que tem seu valor histórico, mas a igreja não reconhece neles um valor de fé, como critério de fé a ser seguido. O filme O Código da Vinci é baseado nesses livros apócrifos.

O Lavrense – O suposto casamento de Maria Madalena com Jesus Cristo é um dos pontos que mais tem causado polêmica. Como o senhor avalia essa questão?

Padre Iliseu Schneider - O filme faz uma interpretação totalmente diversa daquela que está na bíblia. Além do suposto casamento de Jesus com Maria Madalena, o livro também fala que a igreja teve muitas dúvidas se Jesus seria realmente o filho de Deus e traz muitas outras versões que estão totalmente contrárias á nossa fé e que a aquilo que está na bíblia. É por isso que esse filme/livro esta causando tanta polêmica.

O Lavrense
- O senhor acha que essa obra pode causar uma certa confusão na cabeça das pessoas com relação ás bases históricas do cristianismo?

Padre Iliseu Schneider - Sem dúvida. As pessoas se perguntam qual é a verdadeira história de Jesus? O que existe de verdadeiro na nossa fé? Tem realmente o cristianismo uma base histórica ou ele é fruto dessas controvérsias causadas por esses livros apócrifos? A preocupação da Igreja Católica é justamente essa. Maria Madalena foi uma pessoa que teve lá seus pecados, mas foi uma mulher que acompanhou Jesus, que teve encontro com Jesus ressuscitado, são personagens santos que fazem parte da nossa fé e que de repente estão sendo utilizados para obras de gosto duvidoso ou pra lançar dúvidas sobre sua moral, como no caso desse suposto casamento de Jesus com Maria Madalena. Isso nos preocupa porque é uma versão deturpada de algo que para nós é santo, é sagrado.

O Lavrense - Recentemente aconteceram muitas manifestações de fiéis muçulmanos em diversas partes do mundo, revoltados por causa da publicação de charges do profeta Maomé. O filme O Código da Vince não poderia, da mesma forma, ser considerado ofensivo aos católicos?

Padre Iliseus Schneider
- Com certeza. Os muçulmanos foram para as ruas protestar porque se sentiram ofendidos naquilo que eles tinham de mais sagrado,que era a sua fé. Claro que nós cristãos não podemos aprovar atitudes radicais, de intolerância,mas eu penso também que nós devemos exigir que nossa fé seja respeitada.

O Lavrense - Outro dia um bispo católico dizia na tv que Judas vendeu Jesus por trinta moedas de prata e que hoje em dia Jesus estaria sendo vendido por bilhões de moedas, o senhor concorda com esse ponto de vista?

Padre Iliseu Schneider - Concordo plenamente. O que a gente percebe por trás disso tudo é o interesse financeiro, até porque é um tema que vende, dá muito dinheiro. Nos vivemos no ocidente, milhões de pessoas tem Cristo com o seu Salvador, o cristianismo marcou toda nossa cultura.A nossa civilização é uma civilização marcada pela fé cristã. De repente se joga num livro, numa tela de cinema, versões que são totalmente contrárias á nossa fé, a aquilo que esta na bíblica. Esse filme acaba lançando versões que não tem base histórica e são contrárias á palavra de Deus.

O livro “O Código da Vinci” é o terceiro no ranking das ficções mais vendidas no Brasil. No mundo teve mais de 40 milhões de exemplares vendidos.

20/04/06
Postagem Anterior Próxima Postagem