INCÊNDIO NO PARQUE FLORESTAL QUEDAS DO RIO BONITO PODE SER CRIMINOSO

Um incêndio no Parque Florestal Quedas do Rio Bonito na Serra da Bocaina em Lavras, destruiu 85 hectares de vegetação.

O Parque Florestal Quedas do Rio Bonito constitui uma valiosa amostra da vegetação primitiva da região do alto Rio Grande, pois seus quatro tipos fisionômicos principais – floresta, cerrado, campo rupestre e campo de altitude – encontram-se bem representados e razoavelmente preservados. Por este motivo, o Parque abriga uma notável diversidade de espécies de plantas em uma área relativamente pequena, o que atraiu a atenção de pesquisadores da Universidade Federal de Lavras e de outras instituições, que têm realizado ali várias expedições para coleta de material botânico

O relevo acidentado e o vento forte que alastra as chamas dificultaram o combate ao incêndio. quarenta homens trabalharam no local, entre bombeiros e voluntários.

Diretores do parque desconfiam que o incêndio pode ter sido criminoso. Segundo a administradora do Quedas do Rio Bonito, Josina Carvalho, o fogo começou na área interna e em uma parte que não tem muita visibilidade dos guardas. A punição para incêndio criminoso em área de preservação vai de multa de R$ 1,4 mil a R$ 3 mil por hectare queimado e prisão de dois a quatro anos. Foram queimadas árvores como Pau Brasil, Arnica e espécies raras de orquídeas. Dezesseis homens precisaram de 30 horas para controlar o fogo. “O prejuízo é imensurável”, disse Josina Carvalho.

O Parque Florestal Quedas do Rio Bonito é um parque particular, de propriedade da Fundação Abraham Kazinski (FAK). Foi criado em 1995, quando a Prefeitura Municipal de Lavras, com apoio do Câmara dos Vereadores e do Instituto Estadual de Florestas, doou à FAK a então Reserva Biológica do Poço Bonito.
Postagem Anterior Próxima Postagem