-->

Agricultores de Lavras cultivam goiaba para diversificar produção de café

O cultivo da goiaba foi uma aposta que deu certo em Lavras. O clima da região é ideal para o desenvolvimento da fruta. Os agricultores investem na cultura em pequenas áreas.

As frutas são o carro chefe na propriedade do agricultor Mozart Scarassati. Nos cinco hectares onde estão plantados os pés de goiaba são produzidas trezentas 300 da fruta por ano, que ficam ensacadas para evitar o bicho da goiaba. “A fruta se agrega valor em uma área menor”, justifica.

A produção vai principalmente para Belo Horizonte. As frutas saem da fazenda ainda verdes e amadurecem no caminho. As goiabas colhidas maduras são vendidas nas feiras da região ou viram goiabada. No atacado, a fruta é vendida por um preço médio de R$ 2,50 o quilo. No varejo, o preço varia entre R$ 3 e R$ 4 o quilo.

Os pomares de goiaba ocupam 59 hectares no sul de Minas de Gerais. A estimativa é de que a região produza 1,2 mil toneladas da fruta em 2012, produção que tem crescido em algumas áreas.

A temperatura média é de 21 a 22 graus. Nessa temperatura a goiaba fortifica e floresce praticamente o ano todo continuamente”, explica Walter de Oliveira, agrônomo da Emater.

Em um hectare o agricultor Dino Rômulo colhe 700 quilos de goiaba por semana, quantidade vendida nas feiras da região. O agricultor diz que a fruta foi uma opção para diversificar a produção, que antes era só de café. “A gente vive no campo à mercê da natureza. A gente não sabe o que está por vir”, diz.

O cultivo da fruta está começando em Minas Gerais. O principal produtor do país é o estado de São Paulo, com 31% da safra nacional.

15/03/12

Fonte: G1

Gostou? Então compartilhe!

Tags:

Comente esta notícia

LEIA AS REGRAS: Comentários que contenham palavrões, ofensas ou que não tenham relação com o assunto tratado na notícia podem ser deletados sem nenhum aviso. Em hipótese alguma faça propagandas de outros sites ou blogs. OBS: Os comentários dos leitores não refletem a opinião de O LAVRENSE
Comentário(s)
0 Comentário(s)

0 comentários: