--> Inflação em Lavras volta a subir e fechou fevereiro em 2,51% - O Lavrense

Inflação em Lavras volta a subir e fechou fevereiro em 2,51%

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) medido pela Universidade Federal Lavras (Ufla), voltou a apresentar alta e fechou o mês de fevereiro em 2,51%. Em janeiro, este índice havia atingido o patamar de 2,33%.

Para o coordenador do Índice, prof. Ricardo Reis, desde junho de 2012 que o IPC da Ufla vem registrando uma tendência de alta, atingindo seu pico em dezembro daquele ano, quando ficou em 2,98%. E essa tendência se mantém nos dois primeiros meses de 2013.
Segundo Reis, a persistir tal tendência para os próximos meses do ano, o governo, através do Banco Central, deve a retomar a política de aumento dos juros, cujo efeito é mais imediato no controle do consumo.

Tudo leva a crer que o problema de nossa economia está na falta de investimentos, visando estimular a produção e sua competitividade, buscando um equilíbrio no mercado; ressalta que a previsão da safra agrícola desse ano deve ser recorde, o que deve influenciar os preços dos alimentos para baixo”, afirmou.

Em fevereiro, as altas de preços ficaram concentradas nos alimentos in natura (9,27%), produtos industrializados (8,39%), vestuário (9,62%), higiene pessoal (8,32%) e transporte (0,32%). O IPC da Ufla só não foi maior devido às quedas das bebidas (-9,30%), dos alimentos semielaborados (-3,31%) e dos bens de consumo duráveis (eletroeletrônicos, eletrodomésticos, móveis e informática), cuja queda média foi de 1,60%.

O grupo educação e saúde teve uma variação de preços em fevereiro de 0,03%, e as demais categorias pesquisadas se mantiveram estáveis no mês: serviços gerais (água, luz, telefone e gás de cozinha), despesas de moradia e de lazer.

Entre os grupos do IPC da Ufla que tiveram as maiores altas em fevereiro, destacam-se: batata (20,69%), tomate (33.6%), couve-flor (27,33%), abacate (59,39%), laranja (58,92%), açúcar (5,23%), trigo e derivados (pão, macarrão, etc.), ervilha (27,82%), sardinha (43,9%) e ketchup (28,52%). E os alimentos semielaborados seguraram em parte a alta dos alimentos, principalmente o feijão (-1,66), carne bovina (-6,41%) e pescados, com queda de -12,56%. No grupo alimentos in natura, a exceção foi a alta do arroz, de 8,19%. No geral, os alimentos ficaram mais caros em fevereiro 3,19%.

A alta do setor de transporte ficou localizada nos aumentos dos combustíveis e da tarifa de transporte urbano coletivo. Apesar das promoções da moda verão, as despesas com vestuário foram influenciadas pelos aumentos médio dos preços das roupas íntimas, incluindo vestuário de praia, e de blusas e calças a base de algodão.

Cesta Básica

O custo da cesta básica de alimentos para uma família de quatro pessoas passou a custar R$403,97 em fevereiro, com queda de 1,58% em relação ao valor de janeiro, R$410,48. Ao contrário do grupo alimentos do IPC, que levanta os preços de mais de 90 itens, essa cesta básica é composta de apenas 17 produtos, sendo que as quedas nos preços do feijão, da carne bovina, dos ovos e do café foram as que mais influenciaram seu valor no mês.

04/03/13

Gostou? Então compartilhe!

Tags:

Comente esta notícia

LEIA AS REGRAS: Comentários que contenham palavrões, ofensas ou que não tenham relação com o assunto tratado na notícia podem ser deletados sem nenhum aviso. Em hipótese alguma faça propagandas de outros sites ou blogs. OBS: Os comentários dos leitores não refletem a opinião de O LAVRENSE
Comentário(s)
0 Comentário(s)

0 comentários: