;

Header Ads

Festival de Inverno UFMG inova com eventos gratuitos em Tiradentes

A edição 2019 do Festival de Inverno UFMG acontece entre 11 e 21 de julho, com diversos eventos culturais gratuitos, oficinas a preços populares, residências e mais de 80 eventos no campo das artes visuais, tradições, teatro, ciência, música e dança, nas cidades de Belo Horizonte e Tiradentes. Em Belo Horizonte, as atividades serão realizadas no Centro Cultural UFMG, Conservatório UFMG, Espaço do Conhecimento UFMG e Campus Pampulha e, em Tiradentes, no Campus Cultural UFMG.

Festival de Inverno UFMG inova com eventos gratuitos em Tiradentes
Sociedade Orquestra e Banda Ramalho é uma das atrações do Festival de Inverno.

No dia 11 (quinta), ocorre a abertura das atividades do Festival e, até o dia 13 (sábado), espetáculos, exposições e palestras gratuitos ocupam os espaços do Campus Cultural UFMG em Tiradentes - Museu Casa Padre Toledo, Quatro Cantos Espaço Cultural e Centro de Estudos e Biblioteca - e espaços parceiros.

Já a abertura oficial, em Belo Horizonte, é realizada às 19h do dia 14 (domingo), no auditório do Conservatório UFMG, trazendo como destaque apresentação do grupo de jazz Trio Corrente.

A organização do Festival de Inverno pretende que os espaços se aproximem ainda mais das cidades e das comunidades locais, ampliando e dando mais visibilidade às suas programações. A ação integrada dos espaços culturais também gera atividades que criam novas opções para a população de Belo Horizonte e Tiradentes - e cidades próximas -, durante as férias de julho.

Neste ano, o evento está vinculado à Virada Cultural de Belo Horizonte, em uma parceria estabelecida com a Secretaria de Cultura. Entre as atrações da programação integrada, além de shows em diferentes locais, um concerto do Ars Nova – Coral da UFMG, na noite do dia 20 (sábado), promovido no Conservatório UFMG.

Memória: arte e patrimônio

Importantes questões que tocam o grande tema do patrimônio e da memória têm inspirado debates fundamentais, motivados tanto por catástrofes - como os incêndios do Museu Nacional e do Museu da Língua Portuguesa - como pelo questionamento de políticas públicas para o setor. A 51a edição do Festival de Inverno da UFMG entra nessa conversa, por meio de exposições, oficinas, espetáculos, debates e outras atividades.

A ideia é que a contribuição do Festival seja “positiva e propositiva”, nas palavras do diretor de Ação Cultural, Fernando Mencarelli. “A Universidade tem a responsabilidade de participar do debate, e resolvemos fazer isso por meio de políticas e de projetos sobre patrimônio, em curso na Instituição. Articulamos ações bem-sucedidas e outras iniciadas, em imóveis de inestimável valor histórico que integram o conjunto de espaços culturais da UFMG”, afirma.

Mencarelli ressalta que o Centro Cultural e o Conservatório estão entre as primeiras edificações da capital, e o Espaço do Conhecimento integra o importante conjunto da Praça da Liberdade. Em Tiradentes, o Museu Casa Padre Toledo, o Centro de Estudos e Biblioteca e o Quatro Cantos Espaço Cultural são prédios do século 18, que remetem ao barroco e à Inconfidência Mineira.

Programação inédita em Tiradentes

Nesta edição do Festival na cidade, as atividades com entrada franca se iniciam às 15h de quinta (11), com a reinauguração do Centro de Estudos e Biblioteca (Rua Padre Toledo, 158). O Centro passa a abrigar coleções do acervo do poeta Affonso Ávila e apresenta sua nova configuração, em que pesquisadores, grupos e centros de estudos associados desenvolverão projetos sobre temas de maior impacto na cidade e região, em campos como história, meio ambiente e arte. No espaço, às 15h30, tem início mesa-redonda sobre os 230 anos da Inconfidência Mineira. Fecha a programação do dia, às 19h, a exibição do filme “Paisagem – Um olhar sobre Roberto Burle Marx”, no Centro Cultural Sesiminas Yves Alves.

Na manhã de sexta, (12), às 10h, a abertura das intervenções do Festival “Memórias e Janelas – um diálogo”, mantidas até o dia 21, é celebrada com apresentação musical da Sociedade Orquestra e Banda Ramalho, junto às janelas do torreão do Museu Casa Padre Toledo.

Às 10h30, o Museu reabre para visitação, com outra concepção expográfica. O novo projeto recupera a importância da edificação, sua memória ligada aos inconfidentes, a biografia do padre Carlos Correia de Toledo e Melo, um dos líderes do movimento, além de exposição sobre personagens da Inconfidência e representações da antiga Vila de São José d'El Rei. No espaço é também inaugurada, a exposição “'Lugares Imaginários”, uma série de fotografias e relatos orais dos moradores de Tiradentes. A mostra, que tem curadoria de Carlos Henrique Rezende Falci, pode ser conferida até o dia 31.

No jardim do Museu da Liturgia, às 11h, o Poente Cultural UFMG promove show do Trio Tempera Viola que, por meio de percussão, violão e vozes, traça um roteiro musical que relembra as décadas de 80 e 90 com cantigas, canções, tambores e baiões. Às 16h, por meio de parceria entre o Campus Cultural UFMG e a Mostra "Tiradentes em Cena", é apresentado espetáculo “Samaúma – O espírito sagrado da floresta”, uma criação da atriz e bailarina romena de 87 anos, Dorothy Lenner, radicada em Tiradentes. Na peça, celebrando a natureza, os conhecimentos indígenas e a ancestralidade, Dorothy representa a Grande Mãe Terra, que ensina às crianças os valores e os saberes de respeito à natureza e ao sagrado.

A intervenção “Memórias e janelas – um diálogo” chega às janelas do Quatro Cantos Espaço Cultura, às 17h, com a presença das suas criadoras: Maria José Boaventura, Gláucia Buratto de Melo e Márcia Gomes. As artistas falarão sobre a iniciativa, que busca um diálogo com a memória da cidade, abraçando os valores essenciais que compõem sua identidade. Às 18h, é aberta exposição “Dorothy Lenner - Memórias”, em uma curadoria de Hideki Matsuka, reunindo objetos pessoais e outros do percurso artístico da artista, que estará presente em alguns momentos da mostra. A exposição fica liberada para visitação até 31 de agosto, organizada pelo Campus Cultural UFMG e junto com o festival "Tiradentes em Cena".

Fechando a agenda do dia, a Sociedade Orquestra e Banda Ramalho faz apresentação em frente ao Quatro Cantos, às 19h, com um repertório de músicas populares. O momento festivo destaca a importância das bandas como patrimônio cultural, imaterial e prática social no local onde se inserem. É o caso da Banda Ramalho, que há mais de um século entoa suas melodias pela cidade.

No sábado (13), o Festival encerra a etapa em Tiradentes com a visita guiada à exposição “Modernidade” de Roberto Burle Marx, no Centro Cultural Sesiminas Yves Alves, e aos projetos paisagísticos do artista plástico em Tiradentes. Guiada por Luiz Cruz, o roteiro parte da exposição no Yves Alves (Rua Direita, 168) e segue para os projetos paisagísticos implantados na cidade, passando pelo Largo das Forras, Largo das Mercês, Capela de Nossa Senhora das Mercês, Largo do Chafariz, Largo do Rosário, Matriz de Santo Antônio e Largo do Sol.

A programação em Tiradentes pode ser consultada em: www.ufmg.br./campustiradentes

Nenhum comentário