;

Header Ads

Cerca de 150 mil mulheres fazem as eleições em Minas

Cerca de 150 mil mulheres fazem as eleições em Minas

Na Justiça Eleitoral mineira, a força de trabalho feminina corresponde a pelo menos 70% da força de trabalho total. São 151.566 mulheres, considerando mesárias, servidoras, magistradas, terceirizadas e estagiárias. Apenas como mesárias, são 149.258 eleitoras que atuaram nas Eleições 2018 – cerca de 75% do número total de mesários que auxiliaram no último pleito.

Como uma eleição começa a ser preparada muito antes do primeiro domingo de outubro, ainda há, atualmente, 2.308 mulheres que trabalham na Justiça Eleitoral para deixar tudo pronto para o dia 4 de outubro. São 1.445 servidoras na Justiça Eleitoral mineira: 682 atuam nos setores da Secretaria e nas zonas eleitorais de Belo Horizonte, e 763 trabalham nos cartórios das zonas eleitorais do interior. Destas, 229 mulheres ocupam cargos de gestão, como secretárias, coordenadoras, chefes de seções ou chefes de cartórios.

As servidoras do TRE atuam em cartórios eleitorais – executando tarefas como atendimento ao eleitor, preparação das urnas eletrônicas, processamento de dados do cadastro eleitoral e auxílio na tramitação de processos – e em setores da Secretaria, como Secretaria de Gestão de Pessoas, Secretaria de Tecnologia da Informação e Secretaria de Orçamento e Finanças – todas essas, inclusive, lideradas por mulheres no TRE-MG. Marisa Mansur é servidora do TRE há 40 anos, e, para ela “a energia feminina contribui para tornar o ambiente de trabalho mais agradável, mais conciliador”.

Além das servidoras concursadas, há as terceirizadas e estagiárias. Dentre os funcionários terceirizados, são 54 mulheres que realizam tarefas ligadas à segurança, limpeza e manutenção – inclusive nos dias de eleição.

Para auxiliar nos trabalhos administrativos e jurídicos, fazem estágio na Secretaria e nos cartórios em Belo Horizonte 104 estudantes do sexo feminino. Nos cartórios eleitorais do interior, são 605 estagiárias.

Dentre os magistrados que compõem a Justiça Eleitoral, há 96 juízas eleitorais distribuídas entre as 304 zonas eleitorais do Estado, julgando processos na primeira instância e liderando as eleições municipais. Na segunda instância, a Corte Eleitoral mineira atualmente tem três mulheres em sua composição: uma juíza titular – a juíza de Direito Cláudia Aparecida Coimbra Alves - e duas juízas substitutas – a juíza de Direito Cláudia Costa Cruz Teixeira Fontes e a jurista Thereza Cristina de Castro Martins Teixeira. Desde 2008, a Corte Eleitoral mineira contou com a atuação de 20 mulheres.

Ainda, dentre os magistrados que atuam na Justiça Eleitoral, há uma juíza auxiliar da Presidência – a juíza de Direito Roberta Rocha Fonseca.


“É uma honra fazer parte disso. Eu sempre procurei me doar ao máximo, com a maior responsabilidade, com o maior comprometimento, porque eu acho que quando qualquer pessoa tem a oportunidade de fazer a diferença na vida de outra pessoa ela tem que abraçar essa oportunidade”, afirma a juíza, sobre ser uma das mulheres que fazem as eleições em Minas.



Mulheres na política

Segundo dados do Cadastro Eleitoral, são mais de 77 milhões de eleitoras em todo o Brasil, o que representa 52,6% do total de 147,8 milhões de eleitores. Porém, apenas 9.204 mulheres (31,6%) concorreram a um cargo eletivo nas Eleições 2018. Dessas, somente 290 foram eleitas.

Nenhum comentário