Universidades públicas mineiras defendem adiamento do Enem

Universidades públicas mineiras defendem adiamento do Enem
Sala de prova do Enem: data mais oportuna. Foto:Wilson Dias / Agência Brasil
As universidades e institutos federais mineiros, o Cefet-MG e as instituições do estado (UEMG e Unimontes) defendem o adiamento da edição de 2020 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em razão da crise sanitária provocada pelo novo coronavírus. A posição foi manifestada por meio de carta aberta divulgada nesta segunda-feira, 18 de maio, pelo Fórum de Instituições Públicas de Ensino Superior (Foripes-MG).


"O Enem  importante ferramenta de democratização de oportunidades para o acesso ao ensino superior”, mas que o momento atual exige esforço pela prevenção e mitigação dos danos causados pela pandemia de Covid-19. “Os custos das situações extremas tendem a recair com mais força sobre os mais pobres, acentuando ainda mais as desigualdades. É também conhecida a dificuldade de acesso à educação de muitos brasileiros, que só tende ao agravamento com a pandemia de Covid-19”, destaca o documento.


Para os dirigentes das instituições públicas de ensino superior mineiras, insistir em manter, neste ano, a data tradicional do Enem pode trazer graves prejuízos aos estudantes e às instituições. Eles pedem que "o Enem 2020 seja adiado para uma data mais oportuna, a ser definida tão logo o quadro atual seja mais bem compreendido e possamos, de forma segura, realizar o exame dentro de condições mais favoráveis e justas”.

Eis a íntegra do documento:

PELO ADIAMENTO DO ENEM 2020

O Fórum das Instituições Públicas de Ensino Superior (FORIPES), formado pelas universidades e institutos federais mineiros, pelo CEFET-MG e pelas universidades estaduais (UEMG e UNIMONTES), vem a público posicionar-se pelo adiamento da realização do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2020.

É inegável que o ENEM se tornou, nos últimos anos, uma importante ferramenta de racionalização e democratização de oportunidades para o acesso ao ensino superior. Em Minas Gerais, todas as instituições públicas utilizam o ENEM como parte do seu processo de ingresso e reconhecem que a marcante mudança no perfil socioeconômico dos estudantes das universidades mineiras passa pela adoção do Exame, associada a outros importantes fatores. A organização de um exame nacional que permite nivelar as oportunidades pela realização de uma mesma prova, torna um pouco mais equânime a competição entre alunos de escolas públicas e privadas, ricos e pobres.

Como é evidente e vem sendo reiterado por organizações científicas nacionais e internacionais, o atual momento é de prevenção, contenção e mitigação dos danos da pandemia de Covid-19. Nesse cenário, é necessário reconhecer que os custos das situações extremas tendem a recair com mais força sobre os mais pobres, e se essas situações não forem enfrentadas com doses robustas de políticas públicas, tendem a acentuar ainda mais as desigualdades.

É também conhecida a dificuldade de acesso à educação de muitos brasileiros, que só tende ao agravamento com a pandemia de Covid-19.

Nesse contexto extraordinário e desigual entendemos que a insistência na manutenção da data tradicional do Enem 2020, como se não houvesse inúmeras dificuldades a ser enfrentadas, pode gerar graves prejuízos não apenas para os estudantes, mas também para as instituições.

Assim, pedimos que o ENEM 2020 seja adiado para uma data mais oportuna, a ser definida tão logo o quadro atual seja mais bem compreendido e possamos, então, de forma segura, realizar o exame em condições mais favoráveis e justas.

18 de maio de 2020.

Prof. Flávio Antônio dos Santos – Centro Federal de Educação Tecnológica – CEFET/MG; Prof. Kléber Gonçalves Glória – Instituto Federal de Minas Gerais – IFMG; Prof. José Ricardo Martins da Silva – Instituto Federal do Norte de Minas Gerais – IFNMG; Prof. Charles Okama de Souza – Instituto Federal do Sudeste de Minas – IFSEMG; Prof. Marcelo Bregagnoli – Instituto Federal do Sul de Minas Gerais – IF SUL DE MINAS; Profª Deborah Santesso Bonnas – Instituto Federal do Triângulo Mineiro – IFTM; Profª Lavínia Rosa Rodrigues – Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG; Prof. Antônio Alvimar Souza – Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES; Prof. Sandro Amadeu Cerveira – Universidade Federal de Alfenas – UNIFAL-MG; Prof. Dagoberto Alves de Almeida – Universidade Federal de Itajubá – UNIFEI; Prof. Marcus Vinícius David – Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF; Prof. João Chrysóstomo de Resende Júnior – Universidade Federal de Lavras – UFLA; Profª Sandra Regina Goulart Almeida – Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG; Profª Claúdia Aparecida Marliére de Lima – Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP; Prof. Marcelo Pereira de Andrade – Universidade Federal de São João del-Rei – UFSJ; Prof. Valder Steffen Junior – Universidade Federal de Uberlândia – UFU; Prof. Demétrius David da Silva – Universidade Federal de Viçosa – UFV; Prof. Luiz Fernando Resende dos Santos Anjo – Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM; Prof. Janir Alves Soares – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – UFVJM.


Medidas no mundo

Levantamento feito pelo Instituto Unibanco, com base em informações coletadas em 27 países, revela que, em grande parte deles, a decisão é por adiar exames educacionais, nos vários níveis de ensino, em razão das medidas de contenção da pandemia de Covid-19.

Segundo o estudo, entre outras soluções, há casos de cancelamento das provas de âmbito nacional, com adoção de métodos alternativos de avaliação, e alterações no conteúdo dos exames.

Apenas cinco dos 27 países analisados mantiveram as datas das avaliações de acesso à universidade. E, nos casos em que a agenda dos exames está confirmada, os governos têm tomado precauções contra os riscos de infecção, cumprindo protocolos recomendados pela Organização Mundial de Saúde.
Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem