Prefeito de Lavras, seu vice e o presidente da Câmara Municipal são cassados

Em menos de três meses, o prefeito de Lavras, Marcos Cherem (PSD) e seu vice, Aristides Silva Filho, tiveram novamente seus mandatos cassados e os direitos políticos suspensos por oito anos. A sentença foi proferida nessa terça-feira (11), e o prefeito informou que recorrerá ao Tribunal de Justiça do Estado. Na mesma sentença, o presidente da Câmara Municipal, vereador Antônio Marcos Possato, também teve seu mandato cassado.

O processo que resultou na cassação do prefeito foi movido pela coligação Unidos Por Lavras. O juiz entendeu que houve descumprimento de ordem judicial, por parte de apoiadores de Marcos Cherem, ao postarem no Facebook cópia do panfleto apreendido pela Justiça, vinculando Silas Costa Pereira, adversário de Cherem na disputa pela prefeitura de Lavras,  a esquema de desvio de verba pública.

Como na primeira condenação, Cherem, Tide e Possatos permanecerão nos cargos até o julgamento final da questão, por decisão do juiz da 160ª Zona Eleitoral da cidade, Rodrigo Melo Oliveira. Ele estabeleceu que o prefeito e o vice tenham os votos declarados nulos e percam os mandatos, na prática, caso sua sentença seja mantida em última instância, sem possibilidade de contestação –o que não tem data para ocorrer.

Na primeira ação em que Cherem e Tide foram derrotados, também em primeira instância, o mesmo juiz considerou procedente a denúncia de abuso do poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação durante a campanha eleitoral do ano passado.

O prefeito Marcos Cherem divulgou, por meio de seu perfil no Facebook, uma nota onde comentou o novo revés sofrido na justiça eleitoral.

Leia abaixo, a manifestação do prefeito sobre o assunto:

Novamente sou surpreendido pela sentença do juiz eleitoral de primeira instância de Lavras, que decidiu pela cassação de meu mandato legitimamente delegado pela população.

Desta vez o motivo alegado foi o fato de que uma das irmãs do vereador Marcos Possato curtiu e comentou, no Facebook, uma postagem que falava das ligações do então candidato do PSDB com o “Mensalão Mineiro”, conforme divulgado em agosto de 2012 pela Revista Carta Capital.

Deixo claro que não divulguei, curti ou compartilhei tal postagem em nenhum momento durante o período eleitoral.

Causa-me assombro tal decisão e deixo claro que recorrerei às instâncias superiores para corrigir mais essa situação, o que, tenho certeza, ocorrerá.

Vamos rever o fato: a irmã de um candidato a vereador curte e compartilha uma postagem no período eleitoral e por isso tem seus direitos políticos cassados, além de ocorrer a perda de mandato do próprio irmão e também do prefeito eleito que nem acessou tal postagem!

Permanecerei trabalhando por Lavras, como tenho feito desde janeiro de 2013 e continuarei fazendo até dezembro de 2016, sem esmorecer um segundo sequer.”

12/06/13 - O Lavrense
Postagem Anterior Próxima Postagem