;

Header Ads

Flexibilização do isolamento social preocupa deputados

Flexibilização do isolamento social preocupa deputados
Secretário de Saúde apresentou programa para a abertura da atividade econômica em Minas - Foto: Sarah Torres

O temor de um aumento de casos de Covid-19 no Estado a partir da flexibilização do isolamento social e a demanda por equipamentos de proteção individual (EPIs) para profissionais de saúde, bem como por leitos e respiradores para os pacientes, foram algumas das preocupações manifestadas pelos deputados durante o debate sobre o programa "Minas Consciente", que trata da reabertura gradual de estabelecimentos comerciais em Minas Gerais.

Conduzido pelo presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado Agostinho Patrus (PV), o encontro foi realizado na manhã desta quarta-feira (29), no Plenário, com a participação presencial do secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, do presidente da Comissão de Saúde, deputado Carlos Pimenta (PDT), e da presidente do Comitê Permanente de Acompanhamento das Ações de Prevenção e Enfrentamento do Novo Coronavírus, da UFMG, a professora e pediatra Cristina Alvim.

Em seu pronunciamento, Carlos Pimenta admitiu que, a despeito do cuidado demonstrado pelo governo, a abertura do comércio causa preocupação, sobretudo em regiões com alta densidade demográfica ou próximas a São Paulo e ao Rio de Janeiro, uma vez que esses estados apresentam os mais altos índices de contaminação pelo coronavírus.

O parlamentar também apresentou os principais questionamentos dos membros efetivos da comissão, como o aporte de recursos para hospitais da rede estadual e a necessidade de se aumentar o número de testes da doença.

O secretário reconheceu que o temor pela reabertura do comércio é um desafio. “É uma decisão difícil, que tem que ser tratada com muita transparência e rigor técnico. É preciso encontrar o equilíbrio entre os riscos econômicos e sanitários”, disse.

Segundo ele, a decisão de se reabrir gradativamente a economia do Estado partiu da necessidade de se padronizar minimamente as ações dos municípios.

Carlos Eduardo Amaral ainda garantiu que a Fundação Hospitalar do Estado (Fhemig) poderá abrir mais 300 novos leitos e afirmou que o governo já enviou aos hospitais e a prefeituras do interior mais de R$ 200 milhões.

O líder do Bloco Minas Tem História, deputado Sávio Souza Cruz (MDB), manifestou sua preocupação com a adoção de medidas concebidas em países com histórico social, econômico, climático e sanitário muito diferente do Brasil.

O secretário respondeu que o programa adotado tem inspiração no exterior, mas que está prevista a adaptação ao cenário de Minas, sempre observando as recomendadas da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde (MS).

Fonte: Almg

Nenhum comentário