CANDIDATOS A VEREADOR EM LAVRAS RECLAMAM DA FALTA DE APOIO FINANCEIRO DOS PARTIDOS

Candidatos a vereador em Lavras estão reclamando da falta de apoio financeiro dos partidos políticos. Mas, segundo dirigentes partidários ouvidos por O Lavrense, a queixa generalizada não tem razão de ser. Segundo eles, durante as convenções realizadas no mês passado, ficou acertado que caberia aos candidatos viabilizarem a própria candidatura. 

Para entrar na disputa eleitoral em Lavras, o candidato a vereador deve estar disposto a desembolsar uma quantia razoável, afinal, para se eleger, além da disposição para lutar pelos votos, é indispensável um ‘kit eleição’ básico contendo materiais de campanha, que serão utilizados para a divulgação de uma candidatura na cidade que tem 64.770 aptos a votar em outubro.

Com a proibição do uso de outdoor, brindes - camisetas, chaveiros, bonés entre outros - e acessórios, como placas de madeiras, em postes e bens públicos, profissionais da área de propaganda eleitoral apontam que haverá maior investimento em materiais impressos. Os recursos financeiros que seriam investidos em outdoors e brindes serão direcionados para os materiais de papel.

A previsão é de aumento na confecção de ‘santinhos’ e cartazes para a divulgação de campanhas. Candidatos a vereador ouvidos por O Lavrense, consideram os custos elevados mas concordam que não é possível acreditar que serão eleitos sem fazer investimento em propaganda. “Um candidato não utiliza menos que 2 mil santinhos durante a campanha” disse um candidato a vereador. 

No caso dos candidatos a prefeito o uso de cartazes também é considerado indispensável. Sem outdoors e brindes, o foco de divulgação estará voltado a materiais como os tablóides - jornais de formatos pequeno. Com o objetivo de compensar a proibição do uso de outdoors, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) permitiu, por meio de resolução (número 22.243, de 2006), durante a última campanha presidencial, o uso “cartazes móveis” ao longo de vias públicas.

Em Lavras alguns candidatos ja aproveitaram a brecha e se preparam para espalhar cavaletes de madeira em calçadas de ruas e avenidas da cidade. Outra opção seria o investimento em propagandas na internet, mas o uso desse meio no processo eleitoral ainda é muito restrito. A legislação eleitoral só permite a propaganda na internet em sites com a terminação “can.br”.
Postagem Anterior Próxima Postagem