Motorista bêbado é condenado por homicídio doloso

O manobrista William de Sousa Pedrozo, 27, foi condenado a 10 anos e 8 meses de prisão em regime fechado por homicídio com dolo eventual (quando se assume o risco de matar) e lesão corporal grave. Ele foi considerado culpado por dirigir embriagado e provocar um acidente em março de 2005, em Lavras. Ainda cabe recurso da decisão.

A estudante Simone Cristina Silvério, 21, morreu na batida. Outras três pessoas ficaram feridas, entre elas o irmão de Pedrozo. Uma outra vítima teve a perna amputada.

A decisão de anteontem, ainda em 1ª instância, é do juiz da Vara Criminal de Lavras, Célio Marcelino, que também decretou uma nova prisão do manobrista - ele já tinha a prisão ordenada pelo mesmo crime e não foi ao julgamento. O homem é considerado foragido pela Justiça.

Embasamento. Para a sentença, o juiz seguiu denúncia do Ministério Público, que entende que o motorista assumiu o risco ao dirigir embriagado. A decisão deve ser divulgada nos próximos dias no Diário do Judiciário, quando passa a valer.

De acordo com o irmão de Simone Silvério, que pediu para não ter o nome divulgado, sua irmã, o namorado dela e uma amiga pediram carona a William Pedrozo. Todos estavam na mesma festa e o manobrista havia bebido.

Eles entraram em um Fusca, onde também estava o irmão do manobrista. No caminho, o homem que, conforme as vítimas dirigia em alta velocidade, perdeu o controle do carro em uma curva. "Espero que essa decisão sirva de exemplo para outros motoristas", afirmou o irmão de Simone.

O advogado Washington Neto, que representa Pedrozo, disse que seu cliente irá se apresentar à Justiça em breve. Ainda segundo o advogado, ele irá recorrer da sentença e da determinação de prisão junto ao Tribunal de Justiça (TJ).


12/08/10

Fonte: O Tempo
Postagem Anterior Próxima Postagem